Artigos‎ > ‎

Reforma Urbana e Escritórios-Modelo de Arquitetura e Urbanismo

A Reforma Urbana é uma bandeira de luta antiga, mesmo parecendo um direito óbvio e necessário de implementação o mais rápido possível. Só que não dá pra depender e esperar alguma ação mais pontual do Governo. Existem ferramentas que, se bem utilizadas pelos administradores em geral e principalmente por nós, estudantes, podem mudar um pouco a situação atual das cidades brasileiras, deixando-as mais democráticas.

E o que nós podemos fazer? Uma das várias respostas está nos escritórios-modelo de Arquitetura e Urbanismo. A idéia básica de um escritório-modelo é prover ajuda de ordem urbanística e arquitetônica de modo não assistencialista a quem não tem como pagar serviços de Arquitetura. Os trabalhos de um escritório-modelo não são pagos, e nem é essa a intenção. Às vezes alguma faculdade pode dar bolsas auxílio para os estudantes que façam parte, mas não é essencial. O que importa é a vivência social e a possibilidade de colocar em prática o que aprendemos na faculdade, e também de fazer parte na construção das cidades e sempre ter em mente o caráter educativo e de aprendizado, não só para nós, estudantes, como também para a sociedade em geral que não pode pagar o preço exorbitante da Arquitetura atual.

Para a Reforma Urbana os escritórios-modelo podem ajudar, por exemplo, na implementação e elaboração de Planos Diretores, auxiliando nas definições das áreas das cidades que podem ser utilizadas com intuito exclusivo para habitação social, e pensando em como trazer ou dar manutenção a necessidades básicas como saneamento e transporte público. Ou podem ajudar na assessoria em construção de habitações populares com o conhecimento de Arquitetura que temos da faculdade em conjunto com a experiência de vida dos moradores. Ou ainda usando como base a lei de assistência técnica, que ainda não foi aprovada, mas que prevê a assistência direta de arquitetos de modo gratuito para as comunidades carentes e famílias que tenham renda até 3 salários mínimos.

O que falta pra que a Reforma Urbana comece de fato e se concretize algum dia é uma participação maior dos estudantes de Arquitetura nos diversos âmbitos. Deixar de esperar alguma resposta do Estado, tomar iniciativa e fazer acontecer.

[Leila Petrini - estudante da Universidade Estadual de Campinas – SP (UNICAMP) - Diretora de Ensino, Pesquisa e Extensão – gestão 07/08 - Diretora Regional São Paulo - gestão 08/09]

Comments