O que é a FeNEA?

      A FeNEA é uma entidade pública sem fins lucrativos, sem filiação partidária, livre e independente de órgãos públicos e privados, que hoje congrega mais de 80.000 estudantes de graduação em Arquitetura e Urbanismo, de mais de 305 instituições de ensino superior, e os representa perante órgãos governamentais e entidades de área.

Temos como objetivos:

  • Representar os interesses dos estudantes de arquitetura e urbanismo e lutar por um ensino de qualidade, através de uma discussão participativa e democrática.
     

  • Congregar e ampliar a participação dos estudantes enquanto cidadãos e futuros profissionais, na busca de uma formação criativa, inovadora, solidária, coletiva, humana e comprometida com questões político-sociais.
     

         O trabalho da FeNEA é desenvolvido em gestões de um ano, as diretorias eleitas em Plenária Final de ENEA formam o corpo executivo da Federação e devem seguir as diretrizes lançadas pelos estudantes e entidades estudantis na Plenária e no CoNEA de transição. Essas diretrizes servem de base para o desenvolvimento de todo o trabalho da gestão.

         A FeNEA é a união de todos os estudantes de Arquitetura e Urbanismo do país, a coordenação local da FeNEA é o seu Centro ou Diretório Acadêmico e você é tão responsável por ela quanto qualquer um.

 

Diretorias:

  • Diretoria Geral: responsável pela coordenação e harmonização ds trabalhos da Federação, assim como da relação entre as demais diretorias;
     

  • Diretorias Regionais: responsável pelo alinhamento entre as pautas formadas pela diretoria executiva e as entidades de base (Centros, diretórios, secretarias Acadêmicas e escritórios modelo de arquitetura e urbanismo) da FeNEA.
     

  • DDI: responsável por documentar e informar todos os trabalhos e projetos da FeNEA.
     

  • DiEPE: responsável pelas discussões e projetos relacionados ao ensino, pesquisa e extensão em arquitetura e urbanismo, e diálogo permanente com entidades como o MEC e a ABEA.
     

  • DiCom: responsável pela comunicação da FeNEA, sua identidade visual, e pela manutenção das redes sociais e site, democratizando o conhecimento sobre a federação;
     

  • DRE: responsável por representar a Federação frente a outras entidades estudantis como Executiva de curso, UNE, até as entidaes profissionais ligadas a Arquitetura e Urbanismo, como IAB, CREAs, FNA, etc;
     

  • DiFi: responsável pelo controle financeiro da FeNEA.

 

Assessoria:

   Todas as respectivas diretorias contam com suas assessorias de igual paridade em função e fazeres, diferenciando-se ao serem feitas indicações durante as gestão mediante a nominação de alguém que compõe a diretoria da mesma gestão.

 

Regionais:

   A FeNEA se organiza em seis regionais, que por sua vez foram divididas não só pelas questões geográficas mas também pela quantidade de escolas que possui. Estas trabalham os princípios da FeNEA em suas respectivas áreas de atuação, cada uma com diretorias e projetos próprios.
   Algumas regionais se dividem tambem em mini-regionais, é o caso da Norte e Nordeste, que pela grande extensão territorial precisa aumentar os níveis de articulação.
   Hoje são cerca de 466 Escolas de Arquitetura e Urbanismo no Brasil, e a cada ano o numero aumenta ainda mais. 

regionais.png

História:

linha do tempo.png

    A Federação Nacional de Estudantes de Arquitetura e Urbanismo do Brasil tem origem nos primeiros Grêmios de Arquitetura fundados no país. Desde 1932 esse movimento organiza-se através de amplas discussões sobre Arquitetura e Urbanismo, suas condições de ensino, o papel da Universidade e a conjuntura político-social brasileira.

   A ENEBA - Executiva Nacional dos Estudantes de Belas Artes foi a primeira organização dos estudantes de Arquitetura, que a partir de 1953 passou a se chamar Executiva Nacional dos Estudantes de Arquitetura.

   Com o golpe militar em 1964 a Executiva foi extinta. Em 1972, com a realização do I ENEA – Encontro Nacional de Estudantes de Arquitetura e Urbanismo, na cidade de São Paulo, o movimento estudantil de arquitetura e urbanismo retomou suas atividades ainda de forma clandestina.

   Naquele momento, os Encontros tornaram-se a maior oportunidade de articulação dos estudantes, e a partir de 1979, com o IV ENEA Salvador, na Faculdade de Arquitetura da UFBA passaram a acontecer anualmente. Este ENEA contou com cerca de 550 participantes, e teve como tema O Arquiteto e a Sociedade atual.

   No V ENEA Rio de Janeiro (1980), os estudantes se estruturaram como uma Pró-Secretaria de Arquitetura da UNE, submetendo-se ao seu estatuto e órgãos deliberativos. No IX ENEA Olinda (1985) a Pró-Secretaria tornou-se a ENEA - Executiva Nacional de Estudantes de Arquitetura (de sigla homônima a do Encontro Nacional), e aprovou estatuto próprio.

   Em 1986, durante o X ENEA Rio de Janeiro foi proposta a criação de uma entidade representativa. No XII ENEA Belém (1988) a ENEA transformou-se em uma Federação – a FeNEA – com seu estatuto aprovado no XIII ENEA Belo Horizonte (1989). 

   No XVI ENEA Londrina (1992) aprovou-se novo estatuto, com publicação no Diário Oficial da União. Firmou-se então a FeNEA como realidade institucional e representação oficial de todos os estudantes de arquitetura e urbanismo do Brasil. No XXII ENEA Rio de Janeiro (1998) e no XXVII ENEA Ouro Preto (2003) o estatuto foi revisado, passando por algumas atualizações. Em 2008 na Plenária Final do ENEA Belém, o estatuto sofreu suas ultimas alterações para se adequar as mudanças feitas no Código Civil.